*Feliz 2016! Câmera do Vale - Notícias do RN: RN ainda não usa nem um terço do seu potencial eólico, afirma especialista

(CâmeraTv) Suas tardes de sábado com muita animação - SÁBADO SHOW

terça-feira, 17 de maio de 2016

RN ainda não usa nem um terço do seu potencial eólico, afirma especialista

Resultado de imagem para eolicaBons ventos sopram para o Rio Grande do Norte quando se fala em produção de energia eólica. Atualmente, o estado é líder nacional no setor e deve continuar nesse patamar pelo menos pelos próximos dois ou três anos.

O RN já é referência para outros estados mesmo sem usar todo o seu potencial. É o que aponta o presidente do Centro de Estratégias em Recursos Naturais e Energia (CERNE), e especialista na área de petróleo, Jean-Paul Prates.

"Mesmo com a Bahia tendo recentemente conseguido colocar mais projetos nos leilões do que nós, somos referência para outros estados que estão consolidando seus respectivos setores eólicos, e temos ainda muito potencial a explorar. O RN não aproveita sequer um terço do seu potencial total em eólicas, e ainda tem a solar vindo por aí", informou Prates ao Jornal Mossoró Hoje.

De acordo com Jean-Paul, o Rio Grande do Norte é um dos estados mais favoráveis para se investir em energia eólica. Setor promissor para a economia potiguar, atualmente o RN possui 97 parques eólicos em operação, 29 estão em construção e 56 têm capacidade contratada, mas ainda não foram iniciados. Ou seja, 29% do total de parques eólicos no país estão localizados em solos potiguares. Prates explica porque investir aqui é tão rentável.

"Em primeiro lugar, porque estamos na 'bacia de ventos' mais rentável e prolífica do Brasil. Temos mantido um certo dever de casa em dia, dando tratamento prioritário e atendimento adequado às demandas locais dos empreendedores. Tanto do ponto de vista governamental quanto do ponto de vista das entidades setoriais e industriais, centros de excelência e capacitação, bem como do mercado fornecedor local, o RN soube consolidar um ambiente favorável ao investimento e às operações em energia eólica", declarou.

* Com informações da Femurn